Nesta secção podem encontrar testemunhos de pessoas muito especiais para nós. Pessoas que trabalharam e continuam a trabalhar connosco e que conseguiram captar a mensagem do que fazer parte da família CAOVIDA significa.

Rodrigo, Rosa e uma história de um ano de amizade

A história do Rodrigo é muito simples e igual a tantos outros meninos: adorava comer e estar sentado a ver TV. Sempre foi uma criança alegre, mas pacata, e para ajudar ao assunto era um bom garfo!

O Rodrigo foi crescendo e o peso aumentando. Foi para uma equipa de andebol, mas jogava sem grande afinco. O peso era um entrave, a falta de confiança também era grande e o gosto pela comida estava sempre presente, sobretudo o gosto pelos doces e pelas comidas nada saudáveis que só faziam engordar. Nunca chegou a um estado alarmante de obesidade, mas esteve bem perto. Por vezes também ouvia comentários menos agradáveis. Uma outra dor de cabeça era conseguir comprar calças à primeira!

Um belo dia fui chamada à escola de Águas Santas para ter conhecimento do rastreio de obesidade infantil que o CAOVIDA tinha realizado ao sétimo ano de escolaridade. O Rodrigo foi identificado pela equipa como estando no estado de obesidade e foi-me então apresentada a proposta para o ajudarmos, proposta essa que eu gostei muito e me deu esperança para alterar a vida dele.

Lá iniciamos esta aventura! No início até não foi mau, pois notou-se uma perda de peso, mas a preguiça e o comer às escondidas falava mais alto. Foi um ano de luta para alterarmos hábitos e a mentalidade do Rodrigo.

O CAOVIDA não lhe ensinou só a fazer ginástica e a cumprir os objetivos, mas também a mudar a sua mentalidade na hora de comer. Nota-se bem a diferença de comportamento do Rodrigo… bem-dita a hora em que nos conhecemos!

Agradeço e recomendo o CAOVIDA. Hoje o Rodrigo é um jovem atleta e feliz, a diminuir o peso e a saber comer. Ganhou novos e importantes amigos e entrou para uma associação que é um verdadeira família! Estiveram sempre lá, não desistem de ninguém! Família é isto mesmo, sempre presentes nos bons e maus momentos.

Inês, Elisa e um cão chamado Kiko

Foto_Elisa

A história de obesidade da Inês começa muito antes dela. Eu, Elisa, fui obesa mórbida (atingindo perto de 150 kg e tendo atualmente perdido cerca de 100kg após colocação de uma banda gástrica). A Inês iniciou a sua obesidade infantil a partir dos 18 meses. E porque não queria que a história se repetisse, nem a Inês “passasse pelo que eu passei”, sempre revelei grande preocupação (quase obsessão!) junto do pediatra, o qual foi adiando a situação para mais tarde. Por isso, a partir de determinada altura disse basta e decidi procurar outras soluções. E se algumas faziam o acompanhamento médico, psicológico e nutricional de forma criteriosa, não nos asseguravam a parte de exercício físico. Outras, pelo contrário, asseguravam a parte de atividade física, mas não nos davam tudo o resto.

E assim, quando o Jorge, que conheço desde os tempos da escola secundária e que conhecia a nossa luta com a obesidade me fez o convite para entrar nesta aventura, nem olhei para trás.

Aqui a Inês sente-se em casa. Aqui a Inês sente que não é posta de lado, que não a julgam pelo seu aspeto. Aqui a Inês sente-se igual aos outros. Aqui a Inês ganhou novos amigos e alguns confidentes que a têm ajudado a crescer (apenas para cima!). Aqui encontramos pessoas extraordinárias que nos têm ajudado a dar pequenos passos nesta nossa luta diária contra a obesidade. Aqui encontramos o melhor de dois mundos: o acompanhamento médico, psicológico, nutricional e a atividade física, que é personalizada e exclusivamente feita e adaptada à Inês.

Foi também a propósito desta aventura que a nossa família ganhou mais um membro, o Kiko, o qual tem sido uma ajuda fundamental no percurso da Inês. E, se com ele temos ganho muito, também ele teve a ganhar com o CAOVIDA.

As sessões de terapia assistida têm permitido que se torne um cão mais equilibrado e mais feliz. E fazem da minha filha uma criança verdadeiramente feliz e acima de tudo mais saudável.
Apesar de até agora a luta contra os quilos a mais não estar vencida, neste momento já acreditamos que um dia iremos vencer esta batalha.

Mafalda, Matilde e um Ruby

_MG_1843

A história da Mafalda, segundo a mãe, é “simples”. Nunca foi uma criança sedentária, pelo contrário sempre foi muito ativa e com uma alimentação saudável. Mas o apetite nunca ajudou! Vamos então contar a história por inteiro.

A Mafalda começou a dançar desde muito cedo, o que ajudava ao não aumento de peso. Era “magrinha”, como diziam, mas a professora de dança de que tanto gostava deixou de poder dar aulas e a mãe nunca mais encontrou um tipo de dança que a Mafalda gostasse.

Apesar de continuar a praticar outros desportos – basquetebol e taekwondo – a Mafalda foi engordando. Apesar da participação intensiva, o desgaste era grande e, por consequência, o apetite aumentava e, como sabemos, a Mafalda sempre se revelou um “bom talher”. Nunca chegou a um estado de obesidade, mas foi identificada na escola primária (por uma equipa do ISMAI) como uma criança com sobre peso.

Mais tarde, foi convidada a participar num evento relacionado com a temática “obesidade infantil” que decorreu na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Foi aí que conheceu um médico que falou do CAOVIDA CLUB e que chegaram até nós!

O club veio então ao encontro das necessidades da Mafalda, pois assim consegue ter uma atividade física com desgaste moderado e, assim, têm conseguido controlar-lhe o apetite. Aliado a isto, o príncipe Ruby, com sete anos de casa, tem ajudado em todo este processo.

Entrem em contacto connosco e venham partilhar histórias felizes.